Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Osman Lins: Os mistérios do retábulo de Joana Carolina

A companhia paraibana Piollin estreia espetáculo, adaptação de uma das narrativas de 'Nove, novena', livro de contos do escritor pernambucano

TEXTO Astier Basílio

01 de Novembro de 2010

Encenada sobre um tablado rodeado de arquibancadas, peça reúne atores de 'Vau de Sarapalha', da companhia Piollin e convidados

Encenada sobre um tablado rodeado de arquibancadas, peça reúne atores de 'Vau de Sarapalha', da companhia Piollin e convidados

Foto Rizemberg Felipe

Fim da apresentação do primeiro ensaio aberto de Retábulo. Era uma exibição, a primeira da peça, exclusiva para convidados. Gente amiga do grupo. Pessoas que estavam ali para dar sua opinião, fazer críticas, apontar problemas. Em todas as observações feitas, um ponto convergente: o texto.

Não é fácil trazer para a cena a geometria narrativa de um dos grandes inventores da literatura nacional, o pernambucano Osman Lins. Mesmo quando quem está à frente da empreitada seja um grupo como a companhia paraibana Piollin, revelada no teatro nacional na década de 1990, com o espetáculo Vau da Sarapalha, que vertia para o palco toda a magia vocabular de um gênio da literatura, Guimarães Rosa.

No meio do debate, Nanego Lira, ator da companhia, pede a palavra: “O diretor é muito apegado ao texto e não quer cortar nada”. Mesmo com a estreia marcada para este mês em Fortaleza (resultante de um patrocínio de manutenção de grupo da Petrobras), a montagem não está totalmente pronta. A queda de braço entre elenco e encenador ainda não está resolvida. O diretor Luiz Carlos Vasconcelos assume sua paixão pelo texto. Está cortando aos poucos. A artesania poética de Osman Lins, dita em cena, resulta, muitas vezes, em difícil compreensão.

Luiz Carlos Vasconcelos, que desde Vau da Sarapalha não reconhece isso como um problema, adianta o que fará: “Não vou cortar o texto. Vou trabalhar ações com o atores para jogar no texto do coro e daí ver o que fica e o que sai”. Ele diz que pretende eliminar 30 minutos da apresentação, atualmente com uma hora e meia.

INVENÇÃO E REINVENÇÃO
N’O retábulo de Santa Joana Carolina, publicado no livro Nove, novena, Osman Lins antecede os capítulos da narrativa – ao todo 12, que ele denomina de “mistérios” – com um prólogo narrado em terceira pessoa, carregado de alta densidade poética e sem ligação clara ou direta com o texto que precede, cada qual narrado em primeira pessoa por um personagem designado por um símbolo.

Para assinalar o fio de muitas vozes, que se enreda para contar a estória de Joana Carolina, homenagem à avó que criou o escritor, Luiz Carlos Vasconcelos lançou mão do coro. E é na utilização desse recurso que está a chave do espetáculo, em que está o melhor e o pior da montagem.

Retábulo é encenado sobre uma base retangular formada por blocos de madeira, ladeada por quatro arquibancadas. O ponto alto se dá no tempo em que as cenas exploram a dimensão espacial do tablado, quando o coro encontra a justa medida, combinando com ações dramatizadas pelos personagens o que é recitado em uníssono, num jogo teatral que faz o texto, literário e poético, se esgarçar e se vivificar em cena. É o que se vê no quadro em que Joana vela um parente e o coro, utilizando máscaras, dança um carnaval funesto. Os movimentos do maracatu e do cavalo-marinho se ressignificam sem a música e sem o contexto festivo, tornando-se fantasmagóricos.

Ocorre, como foi dito, que o espetáculo não está pronto. O coro, no arrastar da encenação, soa cansativo, monocórdio e repetitivo. Em alguns momentos, o grupo de vozes consegue criar modulações dentro da massa sonora, como se, ao mesmo tempo, obtivesse a unidade dentro da pluralidade, acentuando timbres e tons de interpretação.

No elenco, estão todos os atores de Vau da Sarapalha, mais o integrante da companhia, Buda Lira, além dos atores convidados Alan Monteiro, Suzy Lopes e Ingrid Trigueiro. Destaque para o ator Servílio Holanda, famoso pela performance do Cachorro Giló. Depois de tanto insistir, obteve um papel em que falasse. Interpreta, dentre outros papéis, o coronel dono do engenho.

FORMA DE VITRAL
Osman Lins não conheceu o rosto da mãe, falecida em complicações do parto poucos dias após seu nascimento. Nem foto havia dela. Ter-se tornado escritor, ele disse algumas vezes, resultou da busca desse rosto desconhecido.

Na narrativa, porém, há um paradoxo: o retábulo, lugar de exposição no altar católico, é dividido em mistérios que, na liturgia cristã, remetem ao segredo dos primeiros cristãos sobre alguns dogmas. Eis o jogo bem-resolvido literariamente e apenas sugerido no palco: o de revelar e esconder, de misturar biografia e criação, o que é dito e o que é suprimido.

N’retábulo de Santa Joana Carolina, alguns personagens dão a entender que estão diante de um fotograma, ao se descreverem como se estivessem simultaneamente dentro e fora do tempo narrado: “Acompanhei, durante muitos anos, Joana Carolina e os seus. Lá estou eu, negra e moça...”, narra a velha, interpretada por Soia Lira, numa das primeiras falas do espetáculo.

“Em um dos mistérios, penso colocar, de alguma maneira, um fio no pé com uma cor diferente para cada papel, para que os fios se entrecruzem”, vislumbra Luiz Carlos. No enterro de Joana Carolina, os personagens buscam saber quem foi a protagonista. Como se cada voz, à sua maneira, fosse o caco de um vitral que conseguisse um rosto. Um semblante materno. 

ASTIER BASÍLIO, Jornalista, poeta e crítico de teatro, radicado em João Pessoa. Coautor da peça Ariano.

Publicidade

veja também

Folk rock: Um velho trovador que não enferruja

Jean-Luc Godard: Constrangedora estatueta a um reinventor

Acervo secreto de Maria Carmen

comentários