Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

Coquetel Molotov 2018

As reminiscências populares em Usted Señalemelo, banda apresentada pela Continente na 15ª edição do festival este mês

TEXTO MANU FALCÃO

01 de Novembro de 2018

O trio Usted Señalemelo figura na cena musical independente de Mendoza, na Argentina

O trio Usted Señalemelo figura na cena musical independente de Mendoza, na Argentina

Foto Divulgação

[conteúdo na íntegra (degustação) | ed. 215 | novembro de 2018]

Sintetizadores, baterias pulsantes e luzes neon: à primeira vista, a banda argentina Usted Señalemelo atrai com seu visual oitentista. Mas, uma vez que mergulhamos em seu último álbum, II (2017), percebemos que a recorrência às velhas roupagens (que, talvez, nunca tenham ficado velhas) apenas adorna um fazer musical contemporâneo. Juan Saieg é o vocalista, tendo ao seu lado Gabriel Orozco, na guitarra, e Lucca Beguerie Petrich, na bateria. Os três integrantes do grupo – cujas idades não passam dos 22 anos – apresentam-se como um produto lapidado de seu tempo e espaço. Agora, quatro anos após o lançamento de seu primeiro e homônimo disco, despontam para outros lugares: o grupo está entre as atrações da 15ª edição do festival Coquetel Molotov, no Recife.

Os três garotos nasceram e cresceram em Mendoza, onde há anos se consolidou a cena musical independente mais expressiva da Argentina. O fato de terem gravado seus discos com a colaboração e produção de seus pais, já imersos na música local, evidencia essa fertilidade e resistência da cena musical local. “Crescemos cercados por essas bandas, e nossos pais faziam parte desse cenário. Por isso, tivemos a sorte de conhecer muitas pessoas e sermos bem-recebidos quando começamos. Éramos muito jovens,” contam, em conversa com a Continente. “É uma cidade que nos inspira musicalmente em vários aspectos. Mas não se limita a ser nossa única fonte de inspiração – somos de um tempo em que temos a oportunidade de assimilar tudo o que a internet nos deu.”

Em seus trabalhos, portanto, o resultado soa tanto heterogêneo quanto anacrônico. As canções assemelham-se ao indie, ao mesmo tempo que aludem ao folclore argentino e aos estilos tipicamente latino-americanos. Aproximam-se, ainda, com suas guinadas ao eletrônico experimental, de uma sensibilidade pop inerente aos anos 1970 e 1980 – quando as gerações pós-guerra romperam com a hegemonia do rock inglês em prol de algo inovador.

“Quando começamos a tocar na cena ‘mendocina’, ela estava em um período de estagnação criativa no qual nada acontecia. Foram 10 anos assim. Reinventa-se agora, e está gigante, repleta de novos nomes”, relatam. “A cidade nos influencia, mas os estímulos vêm de todos os lados. São naturais, visuais e sonoros. Canalizamos o nosso processo de criar em torno de tudo o que consumimos, consciente e inconscientemente – bem como tudo que nos parece esteticamente agradável. A partir disso, tentamos achar um ponto de convergência nas coisas de que nós três gostamos. Somos latinos, mas, nesse sentido, somos universais.”

As interlocuções temporais e culturais tornam-se um dos mais recorrentes sintomas de uma geração que passa pelo processo de assimilação do que veio antes e do que surge agora. A Usted Señalemelo reverbera nessa pluralidade sem rédeas, ainda que bastante coesa, trazendo sua obra a um espectro afetivo que pode ser acessado por todos. “É incrível que nossa música alcance lugares que nunca imaginamos. O melhor é ver como as pessoas se conectam com a energia da banda. Vemos que na Argentina, e nos outros países em que fomos, as cenas estão mudando. Cada vez mais, nos sentimos em sintonia com as outras bandas da América Latina nesse processo.”

Nesse aspecto, a edição comemorativa do Coquetel Molotov é um ponto de encontro dessas narrativas da arte que caracterizam os afetos de uma época. No festival, a Usted Señalemelo será apresentada pela Continente, trazendo consigo essas vivências em uma apresentação visualmente bela, e sonoramente rica, no contexto de outros nomes mundialmente aclamados, como Boogarins, Barbagallo (baterista da banda australiana Tame Impala), Azealia Banks e Duda Beat. O festival ocorre nos dias 15 e 17 de novembro, no Caxangá Golf Clube, zona oeste do Recife.

MANU FALCÃO é estudante de jornalismo da Unicap e estagiária da Continente.

Publicidade

veja também

Um homem-patrimônio

Eudes Mota

Cordel, patrimônio cultural do Brasil

comentários