Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Reportagem

Qual o destino dos museus?

Investigamos a museologia brasileira na internet, na pandemia, quando surgem questões sobre como equacionar a necessidade de potencializar a interface virtual com a crescente escassez de recursos

TEXTO LUCIANA VERAS
ILUSTRAÇÕES GUILHERME LUIGI

01 de Dezembro de 2020

Ilustração Guilherme Luigi

[conteúdo na íntegra nas versões impressa e digital  | ed. 240 | dezembro 2020]

contribua com o jornalismo de qualidade

Na noite da primeira quinta-feira de novembro de 2020, dezenas de pessoas aguardavam o início de Life and death in 1918, um tour especial do The Tenement Museum, de Nova York. “Junte-se a nós para uma exploração da pandemia de gripe”, dizia o convite para aquele passeio pelo legado da família Burinescu, imigrantes judeus da Romênia que viveram em um dos enxutos apartamentos do prédio na “flu season de 1918-1919, que se tornaria, até aquele momento, a pandemia mais letal na história humana”. “Entre 1853 e 1935, cerca de sete mil imigrantes e refugiados moraram neste que é um dos mais antigos edifícios do tipo no Lower East Side. Os Burinescu residiam em um apartamento de 29 metros quadrados: eram oito pessoas, dois adultos e seus seis filhos. Embaixo, ficava o seu negócio”, explicava Dolan Cochran, da equipe de educativo do museu.

CONTEÚDO NA ÍNTEGRA
NA EDIÇÃO IMPRESSA E DIGITAL (APP)*

*Edição digital para assinantes e venda avulsa, a R$ 8,99

Publicidade

veja também

Desafios e surpresas nas artes visuais, em 2020

‘Ledores no breu’ e as possibilidades da palavra

“A pandemia revelou o poder do convívio”

comentários