Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

Frevo para ouvir deitado

No seu quarto disco, a cantora Mônica Feijó rearranja clássicos de compositores renomados do ritmo pernambucano

TEXTO Samanta Lira

01 de Janeiro de 2019

Mônica Feijó

Mônica Feijó

Foto Divulgação

[conteúdo na íntegra | ed. 217 | janeiro de 2019]

contribua com o jornalismo de qualidade

Os potentes versos do clássico do frevo À procura de alguém, do mestre Capiba, ganharam popularidade na voz de Geraldo Azevedo há pouco mais de duas décadas. Em ritmo saltitante, a letra, que fala sobre o desejo de um amor verdadeiro, era ecoada pelas ruas na época do “carnaval raiz”. Mas quantas vezes fomos tocados pelas canções carnavalescas e escolhemos não ouvi-las em momentos mais intimistas pela dessincronia entre ritmo e sentimento?

A partir dessa percepção, a cantora e compositora Mônica Feijó e o baixista e produtor musical Areia resolveram rearranjar clássicos de compositores renomados do frevo, enquadrando-os numa roupagem ímpar, singela. Assim surge o quarto disco da artista, Frevo para ouvir deitado.

O ritmo historicamente efervescente – qualidade que, aliás, dá origem à palavra frevo – pode camuflar a profundidade de letras que se propõem a retratar temas delicados, como a tristeza, a saudade e o próprio amor. Com o novo trabalho de Mônica, somos convidados a não só desacelerar o passo, mas a fazer um mergulho no jazz, flertando numa abordagem única. O show de lançamento do álbum será durante a 25ª edição do Festival Janeiro de Grandes Espetáculos, no dia 16, às 20h, no Teatro Apolo, no Recife.

SAMANTA LIRA é estudante de Jornalismo da Unicap e estagiária da Continente.

Publicidade

veja também

Minas

Santo sossego

Manual jurídico feminista

comentários