Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Indicações

[filme] Tunga, o esquecimento das paixões

Filme resgata o universo criativo e afetivo do artista plástico pernambucano

TEXTO Revista Continente

08 de Maio de 2019

O artista Tunga

O artista Tunga

Foto Divulgação

Ele nasceu em Pernambuco, com o nome de batismo Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão, e estudou arquitetura e urbanismo no Rio de Janeiro, mas foi nas veredas das artes plásticas que se tornou Tunga. O diretor Miguel de Almeida explora suas diversas facetas – desenhista, escultor, performer – no documentário Tunga, o esquecimento das paixões, em cartaz nos cinemas via distribuidora CUP Filmes. O universo criativo e afetivo do artista, falecido em 2016, é explorado em uma trama na qual o realizador alinhava fragmentos de obras, instalações e performances a depoimentos de outros expoentes da arte contemporânea nacional, como Cildo Meireles, Miguel Rio Branco e Arthur Omar. Destaque para registros de uma instalação que Tunga montou na pirâmide do Museu do Louvre, em Paris, numa das raras convergências entre a secular instituição e a arte produzida na atualidade.

Publicidade

veja também

[Teatro] Cartas

[Curso] O que é a Bienal do Barro?

[Exposição] Curva do mundo

comentários