Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

Confraria da Toca

Presente aos assinantes da revista, disco é música para ouvir com vagar, sendo resultado de cinco anos de trabalho no estúdio Toca do Japi

TEXTO Revista Continente

02 de Janeiro de 2020

Capa do disco assinado por Fernando Japiassu

Capa do disco assinado por Fernando Japiassu

Ilustração Divulgação

[conteúdo na íntegra | ed. 229 | janeiro de 2020]

contribua com o jornalismo de qualidade


Um álbum desenvolvido com prazer e gostinho de casa é o que se escuta nas 11 faixas do Confraria do Toca. Assinado por Fernando Japiassu, o CD é resultado de cinco anos de trabalho no estúdio Toca do Japi, que fica na residência do artista. Ele mistura o instrumentalismo de nomes consagrados do mercado – como Augusto Silva e Gilberto Bala – à participação de artistas como Almério, Maestro Spok, Lucas dos Prazeres, Isabela Moraes, Silvério Pessoa, Renato Bandeira, Edilza Aires, Zé Brown, Josildo Sá, Ska Maria Pastora e Mazo Melo.

“Foi um disco feito sem a preocupação comercial, no estilo antigo, quando as pessoas tinham tempo para brincar e fazer arte. O processo desse disco foi bem diferente do que estou acostumado. Eu trabalho com estúdio de gravação, fazendo projetos de produção para outras pessoas. Mas eu sempre compus, desde quando tocava em bandas, nos anos 1980. Os músicos conheciam minhas letras e pediam para gravá-las”, comenta Fernando Japiassu.

Ele conta que chamou Augusto Silva para a produção de um soundbook. Começaram a tocar às segundas-feiras, dia mais tranquilo para os músicos, e, durante o processo, outras pessoas foram se agregando. O resultado é a sonoridade tranquila e bem-executada de Confraria do Toca, oferecido como presente aos assinantes da Continente junto à edição deste mês.

Publicidade

veja também

Tagua Tagua mergulha dentro de si em 'Inteiro metade'

Bom mesmo é estar debaixo d'água

'Takorama'

comentários