Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Perfil

Larissa Luz, corpo como convicção

Cantora, compositora e atriz baiana, uma das atrações confirmadas do festival Rec-Beat 2018, é voz política e empoderada da atual cena de música de Salvador

TEXTO ERIKA MUNIZ
FOTOS DAVID CAMPBELL

30 de Janeiro de 2018

A artista baiana Larissa Luz

A artista baiana Larissa Luz

Foto David Campbell

[conteúdo exclusivo Continente Online | jan 2017]

A canção que dá título ao segundo álbum da carreira solo de Larissa Luz, Território conquistado (2016), já apresenta indícios da importância e do teor político que a obra da artista vem conduzindo. “Eu sou uma mulher livre da sina e da obsessão./ Eu sou o que eu quiser./ Decisão é consequência/ E se te assusta a minha aparência,/ boto fogo no olhar e acendo minha consciência”, entoa a baiana – enquanto a multidão acompanha – com seus olhos fervorosos de força e sonoridade a cada apresentação. Unindo referências pessoais, literárias e ritmos provenientes de seu estado natal à música eletrônica e ao rap, seus shows reiteram o quanto o corpo é potente quando utilizado na arte como discurso de empoderamento; afinal, como ela mesma sugere na faixa Meu sexo, “pelve solta é equilíbrio”.

Uma das primeiras atrações confirmadas do festival Rec Beat, no Recife, este ano, Larissa é cantora e compositora e faz parte da atual cena autoral da música baiana. Entre outros nomes dessa leva, estão Baco Exu do Blues, Baiana System, Luedji Luna, Ifá, ATTØØXXA e O Quadro. Além de agitar a capital pernambucana durante o Carnaval, ela participa do trio Respeita as Minas, em Salvador, com Pitty e Karina Buhr, do Trio sem Cordas, ao lado de Baco Exu do Blues e Emicida, e finda em um palco aberto no bairro da Liberdade, onde nasceu o bloco afro Ilê Ayê.

Desde os 15 anos (hoje ela tem 30), Larissa faz apresentações musicais. Começou integrando banda de rock e grupo de cultura popular, que além da música, trazia elementos da dança e do teatro. “Fiz parte de uma banda de rock só de meninas chamada Lucy in the Sky e, com 14 anos, comecei a circular na cena underground de Salvador”, conta em entrevista à Continente. Sua mãe, a professora de Literatura Regina Luz, sempre a estimulou ao contato com as diversas linguagens artísticas, o que contribuiu para a sua formação. “Ela sempre me estimulou a ler e escrever. Escrevo poesia desde nova.”  


Ainda na época de escola, estudava teatro. Em 2014, estreou com a peça Gonzagão – A lenda (2012), do diretor e dramaturgo pernambucano João Falcão, e posteriormente encenou Ópera do malandro (2014), texto de Chico Buarque adaptado por Falcão.  “Sempre gostei muito do movimento corporal enquanto ferramenta criativa, a dança sempre esteve presente na minha arte... O teatro me fez enxergar novas possibilidades de utilização dessa ferramenta. João falcão me ajudou na busca por essa concentração que nos dá mais argumento para usar o corpo com convicção”, explica a artista.

Desde que saiu do vocal do Araketu, em 2012, entregou-se cada vez mais às pesquisas de sua carreira solo. O primeiro álbum foi intitulado MunDança (2013), com arranjos já bastante carregados de instrumentos eletrônicos. Sobre o encaminhamento de sua obra, ela conta: “Eu queria trazer referências ritimicas e históricas da Bahia, mas sob outras perspectivas, comecei uma pesquisa pra achar caminhos de interação entre as máquinas e os tambores. A fusão de ritmos que foram desenvolvidos e trazidos pela diáspora africana ao redor do mundo, tendo a Bahia como ponto de partida me interessa
muito. O MunDança, foi o primeiro material desse começo de pesquisa e
aprofundamento”. 



TERRITÓRIO
Três anos depois, Território conquistado deu continuidade ao percurso – e incessante amadurecimento artístico – da artista. Desta vez, além dos músicos, contou com a colaboração da antropóloga e escritora Goli Guerreiro. Elas ficavam horas juntas, conversando e trocando informações e opiniões numa época em que a autora havia acabado de lançar o romance Alzira está morta (2015), vencedor do selo literário João Ubaldo Ribeiro – que trazia, em sua narrativa, a fusão de personagens femininas negras históricas e ficcionais. As referências ao pensamento e à arte dessas diversas mulheres acabaram contribuindo para o conceito desse segundo álbum.

O título Território conquistado surge, inclusive, da leitura de um dos textos da ativista norte-americana Bell Hooks em torno do conceito. De modo peculiar, Larissa o incorpora, mas subverte a semântica utilizada pelo conceito de Hooks. São novas possibilidades. “Na denominação de território conquistado, Bell Hooks está se referindo aos cabelos das mulheres negras. Está falando sobre o processo de alisamento do cabelo crespo, que é um processo colonizador, uma forma de dominar. Alisar o cabelo seria uma forma de domesticar o território que é o corpo negro. Enquanto Bell Hooks fala de território conquistado como algo que foi dominado pelo imperialismo e pela colonização branca, Larissa transformou esse sentido e disse: 'Eu vou assumir isso aqui', que é o nosso corpo, a nossa história, nosso repertório. Ela começa a inverter as ideais que demonstram o processo de racismo para ganhar uma nova tônica”, explica Goli. 



Em 2016, o disco de Larissa concorreu à categoria “Álbum pop contemporâneo em língua portuguesa”, do Grammy Latino em Las Vegas. Seu forte discurso de empoderamento negro e reflexões sobre a falta de representatividade da mulher negra na sociedade – exemplo da canção Bonecas pretas – contribuem para essa potência que é Território conquistado e sua criadora na música brasileira. Entre as referências do álbum, estão Carolina de Jesus (autora de Quarto de despejo), Nina Simone, a escritora peruana Victoria Santa Cruz – cujo poema Gritaram-me negra é declamado nos shows – e, como dito anteriormente, a autora norte-americana Bell Hooks. Além de outras.

Há também as participações especiais de Elza Soares na música-título do álbum – outra grande referência para Larissa – e da cantora e atriz Thalma de Freitas na faixa Mama chama. “Gosto de usar minha música como ferramenta política. Trabalhar na direção da melhoria do mundo que estamos vivendo é gratificante. Acredito na transformação e no nosso poder”, defende Larissa. Este ano, mais uma vez com patrocínio da Natura Musical e um conceito bem marcado, ela prepara o terceiro álbum, ainda sem título, com produção de Rafa Dias.

ERIKA MUNIZ, formada em Letras pela UFPE, estudante de Jornalismo pela Unicap, estagiária da revista Continente.   

Publicidade

veja também

Quando uma mulher negra se mexe

A reinvenção da música baiana

Uma sereia em meu asfalto

comentários